Relógio 700 anos Marinha

22-01-2018 15:31

image001

No âmbito das Comemorações dos 700 anos da Marinha, vai ser lançada uma edição limitada, a 700 exemplares, de um relógio “Junkers” criado exclusivamente para comemorar esta marcante efeméride. 
Pretende-se, com este lançamento, perpetuar de forma indelével tão importante data, quer para a Marinha, quer para todos os militares, militarizados e civis que nela serviram e servem.

O modelo escolhido é um WORLDTIMER 6892 series, com as seguintes características:

·         Movimento ETA G10.962, quartz, 4 jewels, com a marca Swiss made;

·         Cronógrafo GMT – com possibilidade de definir um segundo fuso horário;

·         Caixa em aço escovado;

·         Diâmetro: 42 mm, espessura: 12 mm, peso: 71 g;

·         Water-resistant 10 atm. 

No verso do relógio encontra-se gravado, em baixo relevo, o símbolo dos 700 anos e o número de ordem sequencial de fabrico do respetivo relógio (n.º XXX/700 e, lateralmente, terá o nome que for escolhido.

O número de ordem será atribuído numa base sequencial ao pedido.

O custo é de 200€ (incluindo gravação do nome), sendo este valor garantido, apenas, durante a pré-reserva.

Os interessados devem manifestar-se até 31 de janeiro de 2018, fornecendo os seguintes dados:

1. Contactos (nome, email e n.º TM);

2. O nome a ser gravado no relógio.

Os pedidos de pré-reserva deverão ser encaminhados por e-mail para relogio700anos@marinha.pt

Posteriormente, à data anunciada, irá receber um e-mail para efetivar a reserva do relógio, pagando para o efeito 20% do valor total.

FUSOS HORÁRIOS DO MOSTRADOR

Pelo Tratado de Tordesilhas, Portugal ficava com direito às descobertas no Atlântico e no Índico, tendo criado um Império marítimo-comercial, que se estendia do Brasil ao Japão. Pelo mesmo Tratado, a exploração de grande parte da América (excluindo o Brasil) e do Oceano Pacífico era exclusiva dos Espanhóis. Apesar disso, vários navegadores portugueses, ao serviço da coroa espanhola, realizaram importantes descobertas na América e no Pacífico. Merecem destaque: Fernão de Magalhães, que iniciou a primeira viagem de circum-navegação; João Rodrigues Cabrilho, que explorou parte da costa Oeste da América e Pedro Fernandes de Queirós que explorou grande parte do Pacífico, no século XVII. 

Pode afirmar-se que em todos os fusos horários existem locais cujo conhecimento chegou à Europa graças a Portugueses, que a eles chegaram após longas viagens épicas marítimas.

·Açores - Povoados pelos Portugueses a partir de meados do século XV;
·Ilha da Trindade – Descoberta por Estevão da Gama em 1502. No arquipélago brasileiro de Martim Vaz e Trindade;
·Porto Seguro – No estado da Baía. Primeiro local do Brasil tocado pela frota de Pedro Álvares Cabral;
·Manaus – Importante porto no interior do Amazonas;
·El Callao – Porto em Lima, no Perú, de onde partiu a expedição de Pedro Fernandes de Queirós;
·Acapulco – Porto mexicano onde terminou a expedição de Pedro Fernandes de Queirós;
·Cabo de San Lucas – No Sul da Baixa Califórnia, visitado por João Rodrigues Cabrilho na exploração da costa americana;
·San Diego – Na Califórnia, visitado por João Rodrigues Cabrilho na exploração da costa americana;
·Ilha Marutea – Descoberta por Pedro Fernandes de Queirós, que lhe chamou San Telmo;
·Havai – Escala na viagem de Pedro Fernandes de Queirós;
·Ilha Swains – Descoberta por Pedro Fernandes de Queirós, que lhe chamou Peregrina;
·Ilha Niulakita – Descoberta por Pedro Fernandes de Queirós, que lhe chamou Nuestra Señora del Socorro;
·Ilha Espirito Santo – Descoberta por Pedro Fernandes de Queirós;
Guam  – Descoberta por Fernão de Magalhães, que lhe chamou Islas de los Ladrones;
Timor  – Território sob administração portuguesa até ao século XX;
Macau  – Território sob administração portuguesa até ao século XX;
Jacarta  – Importante entreposto comercial português na ilha de Java;
Butão - O jesuíta português Estevão Cacella viajou por mar até à Índia, donde partiu para os Himalaias, sendo o primeiro europeu a visitar a região;
Carachi  – Domínio da parte norte do Mar Arábico;
Mascate  – Domínio do Estreito de Ormuz;
Ilha de Socotorá –  Domínio da entrada do Golfo de Aden;
Maputo –  Território sob administração portuguesa até ao século XX;
Luanda –  Território sob administração portuguesa até ao século XX.

image004

Voltar