Faro coordenou patrulha Frontex

29-02-2016 12:18

Posto de Rádio Sul» não teve mãos a medir na tarde de quinta-feira, 18 de fevereiro. O Comando de Zona Marítima do Sul, em Faro, foi o centro nevrálgico de uma operação no âmbito da Rede Europeia de Patrulhas Marítimas – um projeto da agência europeia FRONTEX – cujo objetivo é o combate à imigração ilegal e ao tráfico de seres humanos por via marítima.

Apesar de toda a tecnologia hoje disponível para o controlo de tráfego marítimo, como o AIS (Automatic Identification System), a carta continua a ser um meio preferencial. Réguas, compassos e etiquetas que iam sendo colados num mapa da costa algarvia, mostravam aos diversos envolvidos na operação, a posição dos meios envolvidos e das embarcações na área A1 (Algarve) da European Patrols Network (EPN).

À medida que atualizava a informação, o capitão-de-mar-e-guerra José Isabel, nomeado há cerca de um ano e meio comandante de Zona Marítima do Sul e comandante regional da Polícia Marítima do Sul, explicava em detalhe a situação operacional ao secretário de Estado da Defesa Nacional, Marcos Perestrello, que veio a Faro acompanhado pela diretora nacional do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), Luísa Maia Gonçalves.

À sala de operações, chegavam vários reportes em tempo real, via rádio (canal 82 no VHF marítimo) por parte das duas Lanchas de Fiscalização Rápida (LFR), bem como quatro Embarcações de Alta Velocidade (EAV) colocadas estrategicamente no mar. A operação envolveu ainda quatro viaturas todo-o-terreno da Polícia Marítima.

No seguimento de várias abordagens realizadas, sobretudo a embarcações de pesca, os dados reportados pela Marinha e Polícia Marítima sobre os tripulantes estrangeiros a bordo foram prontamente passados ao SEF para verificação imediata no sistema. Foram detetadas algumas situações irregulares.

Marcos Perestrello assistiu aos trabalhos e à apresentação de diversos briefings, nos quais foi explicada a missão e apresentados os dados estatísticos mais relevantes das várias missões Frontex já realizadas. Neste contexto, nas águas algarvias, até 31 de dezembro último, foram fiscalizadas 3912 embarcações e 10774 pessoas.

O Chefe do Estado-maior da Armada e Autoridade Marítima Nacional, Almirante Luís Macieira Fragoso, assim como o Almirante Gouveia e Melo, um dos homens que, em Portugal, mais sabe sobre submarinos, também marcaram presença em Faro.

No término da missão, Marcos Perestrello admitiu aos jornalistas que a fronteira marítima sul de Portugal não tem os problemas de pressão migratória que outros países europeus enfrentam, mas garantiu que o país tem a capacidade para os enfrentar, se necessário.

Voltar